Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Jovem Socialista - Órgão Oficial de Comunicação da Juventude Socialista

Jovem Socialista - Órgão Oficial de Comunicação da Juventude Socialista

11
Jun09

Nem tudo são rosas

Luís Pereira

 

 

Se é verdade que no novo mapa político europeu a direita parece ter uma nova maioria, há alguns pontos que são importantes para reflexão:

 

- a excepção portuguesa que confirma a regra. Se em Portugal foi a extrema-esquerda quem cresceu, no resto dos países europeus o mesmo se aplica à extrema-direita, em vários casos. A direita cresceu, mas a extrema-direita também e isso é uma coisa que deve preocupar e não apenas os socialistas.

 

- ainda no caso português, a vitória da direita nem se pode considerar especial, uma vez que PSD + PP, acabam por ter menos percentagem de votos do que a esquerda junta.

 

- lembro-me perfeitamente de ler, num livro sobre Direito da União Europeia do prof. Fausto Quadros, onde aborda a história da integração europeia, que é normal que em tempos de crise, as pessoas estão mais predispostas a apostar na direita, que sem dúvida tem um discurso mais apelativo, talvez mais "proteccionista", o que por vezes tende mesmo a travar a evolução da integração europeia. A ideia de menos impostos e menos imigrantes, ajuda.

 

- por aí se pode compreender um pouco do que se passou. Se a maioria dos governos socialistas acabaram por ser algo penalizados, os governos de direita acabaram por passar algo impunes.

 

- o tratado de Lisboa também pode ter o seu peso. Temos o exemplo do governo de Brown, que do outro lado tinha os Conservadores contra a aprovação do tratado.

 

Há muitos tópicos que podem ajudar a explicar o resultado surpreendente. Desde os "eurocépticos", à penalização dos governos no poder, ou a ideia de políticas mais proteccionistas. São tudo importantes reflexões e muito interessantes. A verdade é que só poderemos confirmar se existe mesmo uma tendência à direita nas legislativas, e nem falta assim tanto tempo.

09
Jun09

Blogosfera de Direita ou de como apagar o passado em dois passos!

João Correia

via: tdias

 

É interessante como a blogosfera de direita reagiu à vitória do PSD nas eleições Europeias... Sempre muito caladinhos quanto ao PSD, à sua líder e às intervenções... Limitam-se a atacar o PS e o Governo, a mergulhar a pena no Freeport juntamente com a TVI. Agora que o eleitorado ainda virou mais à esquerda (e não à Direita...) eles lançam os foguetes e recolhem as canas!!!

Estes bloggers de Direita têm destas incongruências: Metem o rabo entre as pernas porque têm uma pessoa que não sabe o que faz à frente do partido; mal vêm um resultado eleitoral que os favorece, saltam da toca, gritam vitória e, como caducos, esquecem o passado! Nada de novo: o próprio Rangel esquece-se no Parlamento que já defendeu obras públicas, que até deu passos para a sua aprovação, que o PSD colocou o país “de tanga”. Nada de novo debaixo do Sol…

A verdade é que “A maior prova de coragem é suportar as derrotas sem perder o ânimo” (Ingersoll) e eu tenho-o aqui pronto para continuar a defender o país das políticas neo-liberais, dos esquecidos, dos demagogos e dos que só sabem remar…para trás!

08
Jun09

Conclusões

Luís Pereira

- A Juventude Socialista esteve em grande nesta campanha para as eleições europeias. Foi o corpo e alma da festa que se sentiu em muitos sítios. Parabéns a todos os envolvidos.

 

- Vital Moreira foi um bom candidato, um intelectual de primeira com ideias para a Europa e um projecto socialista. Os nossos agradecimentos, tive todo o prazer em acompanhá-lo.

 

- O CDS ficou atrás do BE...há alguns anos atrás isso provocou a demissão de Paulo Portas...e agora? Prefere o fait divers de uma moção de censura...

 

- O PCP, por muitas manifestações que faça, ficou claramente atrás do BE...

 

- Parabéns ao PSD, por ter ficado à frente, mas não se esqueçam de uma coisa - a vitória é muito por culpa do BE, que retirou votos ao PS. É algo preocupante, ver um partido de extrema esquerda subir tanto nesta votação, principalmente um que se assumiu como anti-europeu.

 

- Por isso, nas hostes laranjas, mais do que a vitória, que se traduziu no número normal das suas votações devia preocupar este crescimento da extrema esquerda.Tal como é curioso, a esquerda tornar-se como a principal opositora a um outro partido de esquerda, o PS. Por muito que haja a dizer sobre este resultado, há que dar os parabéns a Paulo Rangel.

 

 

 

 

- Paulo Rangel já quer suspender o governo de tomar decisões. Afinal não são 6 meses, o PSD só quer suspender a democracia por uns 3/4 meses. Continua a política do sound byte.

 

- A prova de fogo - veremos como se safa o PSD sem Rangel, a não ser que este caia no descrédito de sair de Bruxelas.

 

 

- A mensagem deve ser percebida, muito mais do que a vitória das ideias, venceram os votos dos descontentes pela crise que se vive no mundo. De lamentar, muito, a abstenção.

 

 

- Para mal dos pecados dos eleitores europeus, foram os mesmo da direita que fomentaram esta crise, que vêm hoje a sua maioria aumentar. Preocupante também o crescimento dos extremos, de esquerda ou direita, que pode fomentar o crescimento de discursos radicais e prejudicar o progresso da União Europeia.

 

Concluíndo: Parabéns ao PSD! Já sabemos qual é o vosso máximo - 33% - O desafio do PS é estar muito acima disso (+ 10%). O combate agora será pela maioria absoluta de José Sócrates.

 

 

 

03
Jun09

Miguel Portas defende o caos social - a demagogia do aproveitamento do caso da roubalheira do BPN

Luís Pereira

Miguel Portas continua a falar, mostrando-se contra a nacionalização do BPN.

 

A ver se a gente se entende. Desde a nacionalização do BPN, em Novembro de 2008, a Caixa Geral de Depósitos “meteu” lá qualquer coisa como 2,55 mil milhões de euros. É muito dinheiro. De uma maneira ou de outra, vai ser pago por todos nós, contribuintes. Vamos supor que, em vez de o ter nacionalizado, o governo tinha deixado cair o banco. O BPN tem uma rede de balcões vastíssima, muito apetecível para eventuais compradores. Tem 285 mil clientes (repito: 285 mil), o que representa um aumento de 21% relativamente à fase Oliveira Costa/Cadilhe. Verdade que, entretanto, alguns deles transferiram 1,6 mil milhões de euros para outras instituições, o que não teriam podido fazer se o governo tivesse deixado cair o BPN ou se, como acontece no BPP, os fundos estivessem congelados. Além disso, o BPN mantém compromissos internacionais: o BPN França e o BPN Brasil. Emprega mais de dois mil trabalhadores. É ainda (via SLN) responsável pela gestão do Hospital de Leiria e da Real Seguros. Portanto, não estamos a falar de um banco en petit comité como o BPP, onde a polícia de intervenção impediu hoje a entrada de clientes.

Já imaginaram o charivari dos media se, em vista do que se sabe da “roubalheira” — e só o sabemos porque a comissão parlamentar de inquérito ainda não parou de escarafunchar —, o governo deixasse o banco ruir? Cerca de trezentos mil depositantes a ver navios, dois mil e tal desempregados, activos perdidos, dívidas ao estrangeiro que teriam de ser pagas pelo Estado, ondas sistémicas, etc. O regime aguentava?

Para já, interessa saber o resultado dos doze processos disciplinares instaurados, pela actual administração (da CGD), a responsáveis de topo pelas anteriores gestões. Bem como o destino dos dez milhões de euros pagos a Cadilhe. Como disse Oliveira Costa (e bem), Cadilhe ganhou mais em 6 meses que ele em 10 anos.

 

03
Jun09

A viragem do PPD à direita

Luís Pereira
03
Jun09

Sobre arrependimentos

Luís Pereira

Há quem continue a insistir na teoria do arrependimento do PS no seu candidato às eleições europeias, Vital Moreira. Posição curiosa. O que tenho assistido são as sondagens de voto no PS a subirem. Tenho visto comícios cheios, ou perto disso, com muita animação e uma cada vez maior empatia entre candidatos e militantes, num fantástico ambiente muito dinamizador para enfrentar esta campanha eleitoral. Vital tem apresentado aos portugueses as suas ideias, o projecto socialista para a Europa.

 

Posto isto, Paulo Rangel tem declarações destas:

 

    Reconheço que surgiu um novo player no partido.
      Paulo Rangel, em declarações ao Expresso de 30 de Maio, referindo-se a si próprio

Quando este player que, já que vemos aqui um galo de Barcelos, poucos consegue mobilizar, em Barcelos esteve uma hora à espera de algumas pessoas para encher a sala, for para o Parlamento Europeu, o que será do PSD?  Não se irão arrepender? Afinal de contas, andaram tanto tempo à espera que ao menos se conseguisse, bem ou mal, ouvir no parlamento, para agora o perderem. Apesar de parecer mais um balão cheio de nada, que quando se espreme pouco "sumo" se retira, começa a ser a maior estrela do partido. E mais tarde, depois de tantas critica a Ana Gomes ou Elisa Ferreira, será que Paulo Rangel terá a mesma transparência para os portugueses e prometer que não abandonará o Parlamento para ser candidato com Manuela Ferreira Leite? 

 

Concluindo: Estando o PS tão arrependido, não deveria o PSD estar à frente nas intenções de voto?

03
Jun09

Perguntas interessantes...

Luís Pereira

... não será a lista de Paulo Rangel a lista fantasma? É que até agora admito que só o vi a fazer campanha. Os outros não terão também eles nada a dizer?

 

... se o trabalho do PSD é tão bom no parlamento europeu, porque razão apenas um dos candidatos repete a candidatura? Ou não deveriam estas eleições ser também um factor de avaliação do trabalho realizado?

 

...que andaram por lá a fazer os eurodeputados do PSD? Porque razão ou por que interesses mais altos saíram eles?

03
Jun09

PSD - o PCP de direita, sempre do contra

Luís Pereira

Tem sido a sua função nestas eleições. Deixava aqui uma afirmação:

 

- Detesto a expressão 'capital humano'. E, por maioria de razão, a frase "Apostamos no investimento no capital humano", usada pelo PSD neste programa tão vazio de ideias. As pessoas não são 'capital humano'. Nenhum social-democrata digno desta herança política devia pronunciar-se assim.

 

Há muito que se o diz, o PPD continua a enganar as pessoas com a sigla PSD. Não são sociais-democratas, como cada vez mais se afastam do centro e viram à direita. Fruto da falta de rumo, continuam a navegar ao sabor dos ventos eleitorais, na busca incessante do poder, a qualquer custo.

03
Jun09

O PCP

Luís Pereira

O PCP não esconde a sua profunda aversão ao projecto europeu em que Portugal se integra. E chega ao ponto de considerar que "a adesão de Portugal à CEE/UE foi e é uma peça fundamental no processo contra-revolucionário português". Apetece perguntar se os dois deputados que o partido mantém no Parlamento Europeu também se inserem neste "processo contra-revolucionário".

 

Já agora, outra perguntinha: em 1986, em vez de termos aderido à 'capitalista' CEE, deveríamos ter antes aderido ao Comecon?

 

Os comunistas insurgem-se contra a "utilização e produção de armas nucleares". Estarão a pensar na Coreia do Norte?

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D