Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Jovem Socialista - Órgão Oficial de Comunicação da Juventude Socialista

Jovem Socialista - Órgão Oficial de Comunicação da Juventude Socialista

19
Out09

Barca do Inferno - a história de um partido

Luís Pereira

Desde logo, algo não cheirava bem à partida da barca. A campanha começou asfixiada de ideias, mas, acima de tudo, a imagem que se queria passar para os portugueses era uma suposta "asfixia democrática" conjugada com a "verdadeira" política de verdade, verdade verdadinha pensaram alguns. Os portugueses, povo sereno, perguntaram-se: "Mas eu sinto-me asfixiado? Esperemos para ver onde é que isto vai dar". E não foi dar a lado nenhum. Pelo menos de jeito.

Tudo começou com o caso "Preto". A suposta "Política de Verdade" sofria um golpe quase mortal com a notícia que candidatos a deputados tinham processos a decorrer em tribunal. Candidatos do PSD, sim! O Partido que propunha que ninguém com um processo em tribunal se pudesse candidatar a um cargo público.

A barca continuou e não parou sem antes também o "Presidente de todos os portugueses" meter a colherada. Como se costuma dizer, entre marido e mulher não se deve meter a colher, Cavaco Silva saiu meio escaldado quando se intrometeu entre José Sócrates e Manuela Ferreira Leite. O caso "Fernando Lima Gate", das escutas, publicado pelo senhor que manda no jornal do frete, José Manuel Fernandes e o seu Público, deu um coice enorme e ao que parece Cavaco Silva aleijou-se. Para provar a teoria da "asfixia democrática", o staff presidencial mandou colocar uma notícia na comunicação social que sugeria que o Governo escutava a Presidência. Azar dos azares, o Público foi desmascarado, Fernando Lima e restante staff de Cavaco Silva também. Tudo isto depois de uma polémica lançada pelo simples facto de o PS saber que membros do staff de Cavaco participavam na elaboração do programa do governo do PSD. Notícia confirmada, imagine-se (!!!), pelo próprio site oficial do PSD e de Manuela Ferreira Leite. Realmente, vá-se lá perceber o porquê da suspeita.

Não satisfeita em provar a falência da mensagem da "asfixia democrática", Manuela Ferreira Leite vai à Madeira. E, perguntam vocês, o que é que ela se lembra de dizer? A Madeira é um exemplo democrático. "AHAHAHHAAHAHHAHA" ouviu-se, alto e a bom som, por todo o país. Era o povo à gargalhada. Falava a Dra, daquilo sítio que proíbe a entrada de deputados de outros partidos em inaugurações públicas. Daquele sítio em que se ouve o Chefe de Governo a dizer: "Ouviu, senhor guarda, eu estou mandando!!!".

Algo estava mal. Muito mal. O povo, mais uma vez, sereno, votou. E elegeu o Partido Socialista. Provavelmente, sentiu-se asfixiado por tamanha falta de consideração pela sua inteligência por parte da oposição portuguesa.

A barca, tal e qual o jogo da batalha naval, começava a meter água depois de tamanho tiro certeiro. Muita água. Manuela Ferreira Leite diz que os portugueses a escolheram. Para quê? Ser oposição, sem dúvida. Esqueceu-se que é suposto ser uma oposição responsável, não do estilo de ainda antes do tiro de partida já estar a prometer chumbar orçamentos ou aprovar moções de censura. Responsabilidade, uma característica já algo asfixiada, diria eu.

A culpa da derrota? Alguns lançam a teoria que a culpa é dos portugueses. Não diria melhor, bem-haja portugueses.

A barca contínua, e o Presidente decide falar. O que disse? Os sistemas informáticos têm falhas. A NASA aplaudiu, a CIA riu-se, os hackers mundiais disseram: "wasn't me". Realmente, nunca alguém ousou pensar ou se quer se lembrou de imaginar que um sistema informático possa ter uma falha. Era algo inédito. Tal como o é um Presidente da República lançar assim suspeitas sobre as instituições públicas. A esta altura, a asfixia da palavra responsabilidade já era tanta, que já estava verde da cor da bandeira nacional.

Portugal riu-se. De embaraço. Todos, sem excepções, criticaram. Até que chega a altura de indigitar José Sócrates. Este, de coração limpo, decide ouvir o que tem a senhora a dizer. "Não estou disponível", diz ela. Abertamente, não podia ter dado melhor resposta. Na altura de assumir responsabilidades, o PSD "chutou para canto" e fugiu como quem não quer a coisa. A esta altura, a responsabilidade ficava amarela como na bandeira nacional.

Entretanto, já assumia Manuela Ferreira Leite que não se recandidatava. Uns ponderam, que poderão ponderar, que já ponderaram em vir a ponderar, mas ainda estão a pensar se vão ponderar. Saem dois candidatos. Aliás, um e meio. Pedro Passos Coelho. Marcelo Rebelo Sousa, apenas a part-time. Rangel diz que ainda está a aprender com Marcelo a ponderar. Típico de uma barca a afundar-se em que todos se atiram fora...

O país volta às urnas. PSD reclama vitória. Resultado: PS conquista 132 Câmaras, número histórico e só não ultrapassa PSD devido às coligações com o CDS. O PS conquista mais de 2 milhões de votos. A culpa mais uma vez será dos portugueses, mas com culpas destas, acho que vivemos todos bem.

Chega a tomada de posse da Assembleia da República. Preto suspende mandato. Deus Pinheiro, meia hora depois, vai jogar golfe. Razões? Saúde. Sim...coitada da saúde tão má da política de verdade.

Novo golpe palaciano no PSD. Aguiar Branco avança para Presidente do Grupo Parlamentar e nem havia prestado contas a Manuela Ferreira Leite. Esta, já com alguma experiência no caso, lá arranja mais uma fonte secreta para ir dizer aos jornais que até apoia o, outrora amigalhaço. E imagine-se: Pacheco Pereira, que antes se queixava do PSD, durante a campanha queixou-se dos jornais e da TV, depois queixou-se dos portugueses, depois da Assembleia da República, e, ao que parece, está prestes a queixar-se do PSD de novo, apoia o golpe palaciano desde o inicio. Pedro Passos Coelho pede a palavra: "Política de Verdade: não há facadas nas costas no PSD".

A esta hora a cor de tudo isto já é vermelho da bandeira nacional. Vermelho de uma vergonha imensa, da extrema asfixia de sentido de estado destas pessoas. Vermelho de stop e pára o baile: esperam-se novas cenas da novela! Uns acham que o barco já foi ao fundo. Outros preferem esperar.

Uma coisa é certa: Portugal merecia melhor!
 

13
Out09

Espírito positivo, determinado e com visão de futuro

Luís Pereira

Ontem, a 11 de Outubro, deu-se por terminado o período eleitoral de um ano que promete ficar para a história. O ano começou atribulado, com uma derrota pesada nas Europeias, a contrastar com uma enorme campanha, quer do partido quer da JS, mas que serviu de aviso.

Vieram as legislativas e os portugueses tomaram consciência de que mais do que tudo, era uma escolha entre posturas. Uma postura empreendedora, positiva e de trabalho para o futuro, Avançar Portugal, ou uma postura derrotista, do bota-abaixo, sem uma orientação global ou sentido de Estado. Perante isto, o povo português escolheu mais uma vez coligar-se com o Partido Socialista, que se assumiu de novo como o partido mais popular de Portugal, o verdadeiro partido do povo. A este desafio a JS respondeu mais uma vez em massa, como se comprovou, por exemplo, com o JS Summer Fest. Por outro lado, Manuela Ferreira Leite supera o resultado de Santana Lopes apenas por 240 votos, o que comprova a pouca fé que o povo português deposita na direita portuguesa.

Este crescendo de optimismo só poderia terminar da melhor forma: uma vitória nas eleições autárquicas. Em 2005, o PSD ganhou sozinho 138 presidências de Câmara (o PS tinha ganho 109), às quais somou 18 outras presidências de Câmara com o apoio do eleitorado do CDS. Em 2009, o PSD ganhou sozinho 117 presidências de Câmara (o PS ganhou mais do que o PSD, tendo ganho 131), às quais somou 19 outras presidências de Câmara com o apoio do eleitorado do CDS. O Partido Socialista assumiu-se, de novo, como o partido mais votado, com mais de 2 milhões de votos (37,66%, 2.083.833 votos), isto mesmo face a uma ampla coligação de partidos e movimentos de direita.

Agora há que pôr mãos ao trabalho, renovar confiança que os portugueses depositaram nos eleitos e conquistar aqueles que não votaram no Partido Socialista. A todos jovens socialistas eleitos fica um desejo de boa sorte e bom trabalho, que defendam bem os interesses dos jovens particularmente e da população em geral.

É preciso encarar os mandatos com confiança e dedicação. É preciso encarar as derrotas como motivação para da próxima fazer melhor, o que parece bem possível.

 

Também publicado aqui - www.blogjsfaul.blogspot.com

08
Out09

A campanha

David Erlich

Tenho andado todos os dias pelas ruas da freguesia da Penha de França, na candidatura à Assembleia de Freguesia, acompanhado de outros camaradas, entre eles a candidata a Presidente da Junta, Elisa Madureira.

 

Tenho-me apercebido de que o afastamento de alguns políticos em relação aos cidadãos, que urge suprimir, tanto pode existir em altos dirigentes partidários nacionais como em autarcas de simples freguesias. Uma senhora idosa relatou-me, indignada, a forma como marcou quatro audiências com o Presidente da Junta, o senhor Rui Marques, do PSD, às quais ele faltou sem aviso.

 

A atitude do PS, na freguesia, como na cidade (com o Orçamento Participativo em Lisboa), como no País (com a reforma do Parlamento, tornando-o mais dinâmico) é, e tem de ser sempre, a da permanente aproximação dos cidadãos à política. É com essa atitude de diálogo e de transparência que se constrói o futuro da democracia.

 

Todos os dias tenho ido às ruas da minha freguesia tentando fazer com que, no dia 11 de Outubro, seja vencedora essa atitude política, de abertura e cidadania.

 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D