Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Jovem Socialista - Órgão Oficial de Comunicação da Juventude Socialista

Jovem Socialista - Órgão Oficial de Comunicação da Juventude Socialista

22
Ago09

O vácuo de Ferreira Leite

David Erlich

Hoje, numa notícia do dn, está bem patente o tipo de vácuo de ideias a que o PSD de Manuela Ferreira Leite (MFL) nos tem habituado. Isto é, grande parte das vezes, o PSD opta por uma de duas atitudes: 1) Opor-se a uma medida do Governo PS sem apresentar uma alternativa. Um bom exemplo é a avaliação dos professores. O PSD posicionou-se contra a avaliação nos moldes actuais, e depois a sua proposta alternativa passou apenas por uma "avaliação externa", cujos contornos nunca foram explicados. 2) A outra atitude frequente do PSD é apresentar ideias gerais das quais é quase impossível discordar, mas sem apresentar medidas específicas que possam concretizar essas mesmas ideias. É é aqui que a notícia citada surge como exemplo. MFL afirmou, depois de um encontro com jovens emigrantes, a importância dos seus êxitos (todos concordamos, julgo eu), que mais pode ser feito para manter os jovens talentos portugueses em Portugal (é sempre possível fazer mais) e que todos os políticos têm de ponderar sobre medidas a tomar nesse sentido. É nesta última parte que MFL mostra o vácuo de ideias do PSD: falar sobre os temas, realçar a importância dos mesmos, mas não apresentar uma medida específica sequer que concretize alguma mudança no âmbito desses mesmos temas. Mais do que frases generalistas, já há muito transformadas em clichés, o PS prefere apresentar medidas concretas. É essa a atitude da força da mudança que o socialismo progressista tem demonstrado. Os novos apoios a estudantes do ensino superior - que podem ser lidos em post, de 25 de Junho, neste blogue - são um bom exemplo.

22
Ago09

Quotidiano (3)

David Erlich

Depois de trabalhar durante mais de um mês num campo de férias, como monitor, e ter passado, depois, umas curtas férias no Algarve, regressei a casa. Como que familiarizando-me outra vez com a intimidade do quarto, arrumei alguns livros, há muito empilhados desordenadamente. Peguei, imprevistamente, no manual da disciplina de Tecnologias de Informação e da Comunicação (TIC), utilizado no meu 10º ano de escolaridade, em que o concurso de professores se atrasou e algumas disciplinas só começaram a ser leccionadas regularmente quase no segundo período. A de TIC foi uma dessas, na minha escola. Por isso, encontrei-me hoje a folhear livros que nunca explorara com profundidade, com conteúdos que não aprendera, como a criação de páginas web ou o sistema operativo Linux. O facto de eu hoje não saber lidar bem com o Linux ou criar uma página web é, primeiramente, uma falha minha, pois já podia ter tirado um curso de informática. Mas é também um reflexo claro de uma falha governamental, pois houve conteúdos programáticos obrigatórios, da escola pública, que não me foram transmitidos. As trapalhadas das lideranças políticas têm sempre consequências na vida diária, palpável, das pessoas. Aquelas que se afastam da política, proclamando-se arautos do individualismo auto-suficiente, são na realidade conformistas, pois ignoram o efeito inevitável que a política tem no nosso quotidiano e rejeitam ter um papel definidor desse mesmo efeito. É urgente, pois, estarmos atentos e combatermos, com a força da palavra, a atitude abstencionista. Só assim podemos encarar o dia de amanhã não como um receio a temer mas sim como um desafio a superar.

 

P.S.: E que tal começarmos já a fazê-lo, com uma forte presença no JS Summer Fest 2009?

19
Ago09

JS Summer Fest 2009

Luís Pereira

JS-Summer Fest 2009. Muita animação, praia, concertos, etc.

Dia 27 de Agosto
00h - Zé Pedro (Xutos e Pontapés)
(Discoteca Faraó)

Dia 28 de Agosto
14h - 18h - Debates
(Azenha)
00h - Fernando Alvim
(Discoteca Faraó)

Dia 29 de Agosto
14h - 18h - Debates
(Azenha)
Parque Municipal:
17h30 - The Plus
18h30 - Luís Represas
21h30 - Wray Gunn
22h30 - GNR

Discoteca Faraó:
00h - Miguel Quintão (Antena 3)
 

 

13
Ago09

Jornal Avançar Portugal - Política pela positiva

Luís Pereira
O PS lançou hoje o primeiro número do jornal “Vencer Portugal”, que faz manchete com uma entrevista a António Vitorino. Este conta com contríbutos de dois elementos do Jovem Socialista, Tiago Gonçalves e Luís Pereira.
 
 

Ascenso Simões, o director deste novo jornal, lembra que este projecto foi pensado para ser “simples e de fácil leitura” que “serve para o avô e serve para a criança” e pretende ser “um instrumento” para divulgar o programa eleitoral do PS bem como fazer o “balanço dos quatro anos de governação”.

No primeiro número são divulgados os projectos executados nas áreas sociais, no plano tecnológico e no desporto, conta ainda com artigos de opinião e uma secção com passatempos.

O Director do Jornal disse ainda que os 200 mil exemplares deste jornal serão distribuídos nas cidades à saída das praias para as pessoas “levarem para casa” e que a elaboração contou com “a participação de muita gente do PS mas também de muitos independentes”.

 

 

Veja aqui o primeiro número do Jornal “Vencer Portugal”

02
Ago09

Ciclovias, um investimento de futuro

Pedro Silveira

Numa altura em que muitos de nós têm já a cabeça no processo eleitoral autárquico (apesar de as eleições legislativas serem primeiro), nomeadamente na elaboração de um projecto político socialista para os nossos concelhos, definindo, apresentando e explicando as propostas para os nosso municípios, penso ser oportuno falar-vos de cliclovias.

 
As vantagens da existência de ciclovias são imensas, desde as ambientais às de saúde pública, das de mobilidade às de lazer. Ainda assim, julgo serem vistas ainda como algo dispensável, não-estrutural no desenvolvimento de uma cidade moderna. Na minha opinião nada mais errado! As ciclovias podem constituir um novo paradigma nas cidades, basta que para isso exista a ambição e uma estratégia bem definida de ligação de todas as zonas com condições (tanto em termos de inclinação, como em termos de aproveitamento de passeios e tráfego de peões) de suportar ciclovias.
 
Se hoje é já possível ir de bicleta da Pontinha, na Amadora, a Sete Rios, em Lisboa, em apenas 20 minutos imagine-se as potencialidades deste meio de transporte ligando outras zonas periféricas de Lisboa ao centro desta cidade. É óbvio que para tal acontecer é absolutamente necessário dotar de condições de circulação, estacionamento e segurança as ciclovias. Mas se isso acontecer, ou seja, se tudo isto for projectado com pés e cabeça (já agora de modo integrado em termos intermunicipais) e não aleatoriamente estou plenamente convicto que as bicicletas poderão ser uma alternativa real aos automóveis para muitos portugueses que trabalham nos grandes centros urbanos, que deixarão o(s) carro(s) em casa, com todos os benefícios que isso acarreta para si em termos de mobilidade e economia e para os outros em termos de ambiente.
 
Bem sei que nem todas os municípios têm condições de realização de ciclovias mas onde estas condições existam não percebo a razão para se deixar de investir cada vez mais. É um investimento de futuro em que todos ganham!
 
PS: António Costa fez em dois anos 28 km de ciclovias. Quantos fez Santana em três?

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D