Terça-feira, 8 de Setembro de 2009

Neste artigo do DN, podemos ler o seguinte excerto, que diz bastante sobre as dificuldades sobre quem vive com o salário mínimo:

 

"Saiu à pressa de casa, tomou uma meia-de-leite e uma sandes de fiambre no café da esquina, veio de carro até Lisboa, deixou umas moedas no parquímetro e bebeu a bica do meio da manhã antes de passar os olhos por este jornal? Então é um português privilegiado. Não ganha de certeza o salário mínimo, esses escandalosos 450 euros negociados entre o Governo, o patronato e os sindicatos. Dá apenas 15 euros por dia e no momento em que, já estacionado o automóvel, comprou o DN esfumaram-se por completo. E o pior é que as pessoas, mesmo que tomem o pequeno-almoço em casa e viajem de transportes públicos, precisam de muito mais para viver com dignidade. Afinal, há a casa para pagar, a comida, a roupa e também os livros para os miúdos, despesa sazonal que deixa as famílias em stress. "

 

É pelo dito neste texto que foi uma marca importantíssima o facto do Governo do PS ter aumentado em 10 % o salário mínimo e, assumindo que o valor alcançado até agora não pode ser encarado como uma meta final (valor que apesar de ainda poder ser considerado "escandaloso", se tratou de um dos maiores aumentos da Europa e contou com a concordância dos próprios sindicatos), se ter comprometido a aumentar o salário mínimo para 500 Euros em 2011.

 

Mas essa marca socialista não é apenas sinónimo de progresso do País rumo a uma maior igualdade de oportunidades; é também um tema em que, claramente, as opções de PS e PSD divergem. Como podemos ler neste outro artigo do DN, o PS tenciona, como afirmado no programa eleitoral, "prosseguir com a elevação do salário mínimo nacional, em concertação com os parceiros sociais". Não são referidos valores específicos no programa eleitoral pois essa é uma questão que o PS, enquanto Governo, já assumiu claramente: 500 Euros em 2011 (estando ainda por definir o valor intermédio para 2010). Nesse mesmo artigo do DN, podemos ler que o PSD é omisso na matéria do salário mínimo. Quando se diz omisso, é mesmo porque a expressão "salário mínimo" não surge uma única vez no programa eleitoral do PSD - o leitor pode verificar.

 

Por um lado, o PS assume continuar a elevação do salário mínimo, tendo feito, enquanto Governo, um acordo histórico que implica o valor de 500 Euros de 2011. Por outro lado, o PSD nada diz sobre o assunto.

 

É caso para perguntar: será a questão do salário mínimo uma questão pouco importante para o PSD? O pensamento do PSD sobre o salário mínimo ainda é o de que os aumentos acordados não são adequados, ou Manuela Ferreira Leite já recuou nessa declaração que atenta contra a igualdade de oportunidades? Se o PSD ganhar as eleições - o que esperemos, a bem do País, que não ocorra - rasgará o acordo histórico conseguido pelo Governo PS?

 

 

 

 

 

 

 

 



David Erlich às 17:08 | link do post | comentar

pesquisar...
 
Artigos recentes

Progressividade fiscal e ...

Cidadania europeia: o nov...

O progresso...

@ convidad@ da semana - J...

O Homem a fazer de Deus

O gineceu político do PSD

@ convidad@ da semana - C...

Os tiros nos pés do PS

A Democracia Hoje

NotíciasJS - 1.º Noticiár...

Jovem Socialista - Jornal...

Assim vai Cuba...

@ convidad@ da semana - P...

Jovem Socialista Poadcast...

JS em Entrevista - Progra...

Quid iuris?

@ convidad@ da semana - P...

Repugnante

Curtas

@ Convidad@ da Semana - J...

EUA: fez-se história

@ convidad@ da semana - M...

PSD... ou PCP ? ou o desn...

Democracia ao estilo do P...

A pérola II

A pérola

A Europa continua a ser v...

Futurália

"Virou-se o feitiço contr...

Lendo as notícias de hoje...

Frase do dia

MMG

Edições impressas do Jove...

Acompanhe todas as notíci...

Princípios da Administraç...

Da série "aos 10 anos já ...

Da série "aos 10 anos já ...

Da série "aos 10 anos já ...

Neda,

Mutilação Genital Feminin...

Orgulho em ser socialista

Dos EUA...

Por uma política com "P" ...

É da vida...

Notícias que interessam: ...

aCima & aBaixo

Ensino Superior com mais vagas

Começa amanha a primeira fase de
acesso ao ensino superior público
com mais 4% de vagasque em 2009.
Vão abrir mais 2068 vagas, sobretudo
nos horarios pós-laborais.
O Governo assinou em Janeiro
um “contrato de confiança” no qual
garante mais fundos com o
compromisso de que se aumentem
as oportunidades de
licenciatura e mestrados à
população activa.
É uma aposta no ensino superior
que não deixa de ter em conta a
produtividade e crescimento do país,
gerando mão-de-obra mais qualificada.

Deputados ausentes

Em nove meses de legislatura
podem ser contabilizadas 652 faltas.
Mesmo após o aviso do presidente
da Assembleia da República, Jaime
Gama, em que diz que não se aceitam
"deputados em part-time" contnua a
existir uma media elevada
de faltas, muitas delas injustificadas.
A assiduidade é um dos factores
que mais descredibiliza os deputados,
e toda a politica representativa.
A bancada com mais faltas é
a do PSD, que é responsável por cerca
de metade das faltas desde o início
da legislatura, seguida pelo CDS.
Os motivos apresentados são
variados mas as faltas continuam
a incidir sobre feriados com
pontes, como o 10 de Junho.
A assiduidade tem, contudo,
vindo a melhorar, com mais controlo
por parte do presidente da Assembleia.



Inês Mendes, 12/07/2010
links
Sotão

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds