Terça-feira, 28 de Abril de 2009

 "Cai agora no mesmo erro, a meia dúzia de meses das eleições, de querer tomar decisões poderosíssimas"

 

Assisti ontem à entrevista de Manuela Ferreira Leite e questionei-me onde é que a senhora esteve este tempo todo... com a cabeça na lua, só pode. Numa parte da entrevista, conduzida muito gentilmente por Mário Crespo, a senhora MFL acusou este governo de tomar decisões em final de mandato, o que provaria que não teria aprendido a "lição", demonstrando irresponsabilidade. Referia-se, obviamente, ao projecto da alta velocidade e do novo aeroporto.

 

Se bem se lembram, este é um assunto amplamente discutido desde o ínicio do mandato deste governo socialista. É um assunto, no caso do "TGV", que vem aliás da legislatura anterior, quando esta mesma senhora se comprometeu com Espanha na construção de quatro ou cinco linhas. Para além deste compromisso assumido, existem aliás vários estudos, que já datam algum tempo, uns que até já foram revistos, estando disponíveis para consulta, principalmente para alguém com a importância ou responsabilidade como MFL e que permitem que cada um tome a sua posição. Posso ajudar: estão aqui e aqui. Como se pode concluir, não é um projecto de ontem ou de hoje, apesar da sua imensa importância para o amanhã, isso é certo! O Governo tomou a sua posição há imenso tempo: é necessário, principalmente face a este conjectura de crise económica, agir. E estes dois projectos, para a economia, são importantes, estruturais mesmo, não só para hoje como para o futuro. Tomou posição, também já há imenso tempo, pelo menos desde que renasceu para a política assumindo a liderança do do PSD, a sra. MFL opôs-se contra estas duas obras estruturantes.

 

Face a isto, mais uma vez não percebo as palavras de MFL. Principalmente se pensarmos que até teve um papel importante no ínicio de um dos dois projectos. Ou mesmo se pensarmos que se está há muito a discutir isto. "Esquecimento"... O que até faz sentido: estamos no poder, somos a favor, somos oposição, somos contra! Isto, é claro, sempre no melhor interesse de Portugal. Ou talvez não. Inclino-me para esta última.

 

O que deve confundir a sra MFL, é que o Governo tem um rumo para o país, tem as suas posições bem definidas e não anda ao sabor da corrente da oposição e do populismo circunstancial. Algo muito complicado para um partido fragmentado e sem uma liderança forte, como no caso do PSD.

 

Portugal a preto e branco? Não, obrigado!



Luís Pereira às 14:59 | link do post | comentar

pesquisar...
 
Artigos recentes

Progressividade fiscal e ...

Cidadania europeia: o nov...

O progresso...

@ convidad@ da semana - J...

O Homem a fazer de Deus

O gineceu político do PSD

@ convidad@ da semana - C...

Os tiros nos pés do PS

A Democracia Hoje

NotíciasJS - 1.º Noticiár...

Jovem Socialista - Jornal...

Assim vai Cuba...

@ convidad@ da semana - P...

Jovem Socialista Poadcast...

JS em Entrevista - Progra...

Quid iuris?

@ convidad@ da semana - P...

Repugnante

Curtas

@ Convidad@ da Semana - J...

EUA: fez-se história

@ convidad@ da semana - M...

PSD... ou PCP ? ou o desn...

Democracia ao estilo do P...

A pérola II

A pérola

A Europa continua a ser v...

Futurália

"Virou-se o feitiço contr...

Lendo as notícias de hoje...

Frase do dia

MMG

Edições impressas do Jove...

Acompanhe todas as notíci...

Princípios da Administraç...

Da série "aos 10 anos já ...

Da série "aos 10 anos já ...

Da série "aos 10 anos já ...

Neda,

Mutilação Genital Feminin...

Orgulho em ser socialista

Dos EUA...

Por uma política com "P" ...

É da vida...

Notícias que interessam: ...

aCima & aBaixo

Ensino Superior com mais vagas

Começa amanha a primeira fase de
acesso ao ensino superior público
com mais 4% de vagasque em 2009.
Vão abrir mais 2068 vagas, sobretudo
nos horarios pós-laborais.
O Governo assinou em Janeiro
um “contrato de confiança” no qual
garante mais fundos com o
compromisso de que se aumentem
as oportunidades de
licenciatura e mestrados à
população activa.
É uma aposta no ensino superior
que não deixa de ter em conta a
produtividade e crescimento do país,
gerando mão-de-obra mais qualificada.

Deputados ausentes

Em nove meses de legislatura
podem ser contabilizadas 652 faltas.
Mesmo após o aviso do presidente
da Assembleia da República, Jaime
Gama, em que diz que não se aceitam
"deputados em part-time" contnua a
existir uma media elevada
de faltas, muitas delas injustificadas.
A assiduidade é um dos factores
que mais descredibiliza os deputados,
e toda a politica representativa.
A bancada com mais faltas é
a do PSD, que é responsável por cerca
de metade das faltas desde o início
da legislatura, seguida pelo CDS.
Os motivos apresentados são
variados mas as faltas continuam
a incidir sobre feriados com
pontes, como o 10 de Junho.
A assiduidade tem, contudo,
vindo a melhorar, com mais controlo
por parte do presidente da Assembleia.



Inês Mendes, 12/07/2010
links
Sotão

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds