Quarta-feira, 10 de Junho de 2009

 

Não sou especialista em economia, longe disso. Talvez por isso mesmo, não me acho mais inteligente que alguns prémios Nobel de Economia. Ísto porque?

 

Há por aí um nobel de economia que diz que a crise mundial provou que o pensamento da direita sobre a economia de mercado está errado. Diz o pobre senhor, certamente errado, que a direita dizia que os mercados se regulariam por si, se ajustariam por si, que se houvesse algum problema os mercados arranjar-se-iam por si e muito rapidamente. Para este senhor, esta é uma ideia errada até porque os mercados são em geral ineficientes quando a informação é imperfeita, sendo que a informação é sempre imperfeita muito por culpa de uma "depravação moral" de algumas instituições financeiras para classificar o comportamento dos bancos que, na sua opinião, “roubaram os sonhos e o dinheiro de muitas pessoas". Explica o senhor que a culpa é dos senhores que desregulamentaram a economia.

 

Outra pessoa que deve saber mais do que eu, até por estar envolvido no meio e ser um professor de duas das Universidades mais conceituadas da América, Harvard e Princeton, também diz coisas interessantes:

 

"A desregulamentação que se fez nos últimos 15 anos, incluindo o governo de Clinton, do qual fui parte, criou uma atmosfera de casino na qual qualquer banco podia fazer dinheiro sem se importar com os seus níveis de endividamento e sem sequer saber que tipo de papéis comprava"

 

Há ainda um ministro da Economia de Itália que diz o seguinte:

 

"Não é um banco que fracassou, é um sistema inteiro. Devemos ter novos regulamentos e é opção dos governos fazê-los"

 

Diz-se que "o actual sistema financeiro iniciou o seu declínio com o surgimento da política neoliberal, que estabeleceu como principio fundamental a desregulamentação em todos os âmbitos e em especial no sector financeiro."

 

Posto isto,  serão jotices ou estupidez acreditar em Prémios Nobel, em Professores de Harvard ou Ministros de Economia? Se calhar o melhor é perguntar ao especialista Samuel.



Luís Pereira às 17:28 | link do post | comentar

8 comentários:
De Jorge Assunção a 10 de Junho de 2009 às 19:32
"Há por aí um nobel de economia"

A expressão chave aqui é mesmo o "um". Há mais sabia e nem todos defendem o mesmo que Krugman.


De Luís Pereira a 10 de Junho de 2009 às 19:43
Por acaso acertou, há mesmo mais do que um Nobel de Economia.

E, só por acaso, quem disse isto não foi Krugman. Ve como não está errado?



De Jorge Assunção a 10 de Junho de 2009 às 22:21
Com o pouco que cita, se não é o Krugman, talvez seja o Stiglitz... isso pouco importa. Importa sim, que há muitos outros com o Nobel de Economia que não concordam com o que refere. E mais, recomendo-lhe a leitura disto:

http://en.wikipedia.org/wiki/Appeal_to_authority

Cumprimentos.


De Luís Pereira a 10 de Junho de 2009 às 22:27
Agora acertou. Acredito que nem todos concordem, é da vida as pessoas discordarem e terem opiniões diferentes. Felizmente, eu respeito opiniões diferentes e até defendo essa possibilidade, por isso mesmo surge este post.

Obrigado pelo seu contributo, volte sempre caro Jorge Assunção,

Um abr


De Jorge Assunção a 10 de Junho de 2009 às 22:59
"Obrigado pelo seu contributo, volte sempre caro Jorge Assunção"

Já sou leitor há algum tempo, caro Luís. Acho que nunca tinha comentado por cá, mas leitor já o sou desde que uma vez apareceu no Delito a comentar um texto meu. :)

Um abraço.



De Luís Pereira a 10 de Junho de 2009 às 23:25
Fico contente por haver alguém que le o que por aqui se escreve. Sabe que também sou um seguidor diário do delito de opinião, apesar de muitas vezes discordar do que por lá se escreve, têm realmente o dom da escrita.

Cumps,


De Antonio Campos a 10 de Junho de 2009 às 20:41
Já agora, o Samuel também é especialista em português? Em caso afirmativo aconselhe-se com ele antes da publicação dos textos porque a palavra arranjariam-se " que consta na sexta linha não existe, a forma correcta é arranjar-se-iam. Boa sorte na economia....


De Luís Pereira a 10 de Junho de 2009 às 21:08
Obrigado pela indicação,

foi um copy paste que passou ao lado. :)

Volte sempre!


Comentar post

pesquisar...
 
Artigos recentes

Progressividade fiscal e ...

Cidadania europeia: o nov...

O progresso...

@ convidad@ da semana - J...

O Homem a fazer de Deus

O gineceu político do PSD

@ convidad@ da semana - C...

Os tiros nos pés do PS

A Democracia Hoje

NotíciasJS - 1.º Noticiár...

Jovem Socialista - Jornal...

Assim vai Cuba...

@ convidad@ da semana - P...

Jovem Socialista Poadcast...

JS em Entrevista - Progra...

Quid iuris?

@ convidad@ da semana - P...

Repugnante

Curtas

@ Convidad@ da Semana - J...

EUA: fez-se história

@ convidad@ da semana - M...

PSD... ou PCP ? ou o desn...

Democracia ao estilo do P...

A pérola II

A pérola

A Europa continua a ser v...

Futurália

"Virou-se o feitiço contr...

Lendo as notícias de hoje...

Frase do dia

MMG

Edições impressas do Jove...

Acompanhe todas as notíci...

Princípios da Administraç...

Da série "aos 10 anos já ...

Da série "aos 10 anos já ...

Da série "aos 10 anos já ...

Neda,

Mutilação Genital Feminin...

Orgulho em ser socialista

Dos EUA...

Por uma política com "P" ...

É da vida...

Notícias que interessam: ...

aCima & aBaixo

Ensino Superior com mais vagas

Começa amanha a primeira fase de
acesso ao ensino superior público
com mais 4% de vagasque em 2009.
Vão abrir mais 2068 vagas, sobretudo
nos horarios pós-laborais.
O Governo assinou em Janeiro
um “contrato de confiança” no qual
garante mais fundos com o
compromisso de que se aumentem
as oportunidades de
licenciatura e mestrados à
população activa.
É uma aposta no ensino superior
que não deixa de ter em conta a
produtividade e crescimento do país,
gerando mão-de-obra mais qualificada.

Deputados ausentes

Em nove meses de legislatura
podem ser contabilizadas 652 faltas.
Mesmo após o aviso do presidente
da Assembleia da República, Jaime
Gama, em que diz que não se aceitam
"deputados em part-time" contnua a
existir uma media elevada
de faltas, muitas delas injustificadas.
A assiduidade é um dos factores
que mais descredibiliza os deputados,
e toda a politica representativa.
A bancada com mais faltas é
a do PSD, que é responsável por cerca
de metade das faltas desde o início
da legislatura, seguida pelo CDS.
Os motivos apresentados são
variados mas as faltas continuam
a incidir sobre feriados com
pontes, como o 10 de Junho.
A assiduidade tem, contudo,
vindo a melhorar, com mais controlo
por parte do presidente da Assembleia.



Inês Mendes, 12/07/2010
links
Sotão

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds