Sexta-feira, 8 de Maio de 2009

Existe, na minha opinião, um problema grave, quase crónico, na Europa. Trata-se do afastamento entre a classe política europeia e das suas instituições, da população. Pouco, ou nada, chega aos eleitores sobre o que é feito, o que é decidido, o que é pensado na Europa. A Europa é vista como um centro de decisão onde a Comissão e o Conselho Europeu decidem e o povo pouco tem a dizer em relação a qualquer matéria, não havendo grande necessidade de acompanhar a actualidade política. Que sinal mais poderoso disto mesmo, do que os enormes números de abstenção que se espera. Para a Europa seguir, e seguir por um percurso forte, necessita de uma maior aproximação e consciencialização da  importância que hoje tem.

 

O titulo refere Cavaco Silva e não é de forma inocente. Nos últimos tempos, estou farto de ouvir de Bloco Central, centrando as atenções nas legislativas, de todos os quadrantes, mas mais importante, de um que nunca o deveria fazer, o Presidente da República. Hoje, mais do que nunca, importa falar sobre a Europa. Importa realçar aos Portugueses que é necessário ir votarem, é essencial! Ainda me lembro quando Cavaco Silva parou o país para falar de...Estatuto dos Açores, uma matéria que nada diz à população portuguesa. Ultimamente, distrai os portugueses, falando sobre o bloco central e nada dizendo ou pouco dizendo sobre a Europa.

 

Não sei a quem interessa falar de bloco central. Uma coisa sei: importa e muito falar da União Europeia. Hoje o Sr. Presidente da República lembrou-se finalmente disso. Espero que continue e que se esforce por relembrar aos portugueses a importância de votar!



Luís Pereira às 20:15 | link do post | comentar

1 comentário:
De João Barbosa (Ponte da Barca) a 9 de Maio de 2009 às 11:53
Parece-me de extrema importância que se marque vigorosamente uma posição em relação ao tema "bloco central", que espero que seja de repúdio. Não podemos deixar que os portugueses vão ás urnas votar indiferentemente imaginando que um possível voto PSD é um voto no "bloco central". Portugal só têm um caminho possível para o sucesso, e de certeza que não é seguindo um caminho de direita ou de centro ou daqueles que se dizem de esquerda, e que não passam de demagogos que tentam iludir os jovens, o caminho é com o Partido Socialista.


Comentar post

pesquisar...
 
Artigos recentes

Progressividade fiscal e ...

Cidadania europeia: o nov...

O progresso...

@ convidad@ da semana - J...

O Homem a fazer de Deus

O gineceu político do PSD

@ convidad@ da semana - C...

Os tiros nos pés do PS

A Democracia Hoje

NotíciasJS - 1.º Noticiár...

Jovem Socialista - Jornal...

Assim vai Cuba...

@ convidad@ da semana - P...

Jovem Socialista Poadcast...

JS em Entrevista - Progra...

Quid iuris?

@ convidad@ da semana - P...

Repugnante

Curtas

@ Convidad@ da Semana - J...

EUA: fez-se história

@ convidad@ da semana - M...

PSD... ou PCP ? ou o desn...

Democracia ao estilo do P...

A pérola II

A pérola

A Europa continua a ser v...

Futurália

"Virou-se o feitiço contr...

Lendo as notícias de hoje...

Frase do dia

MMG

Edições impressas do Jove...

Acompanhe todas as notíci...

Princípios da Administraç...

Da série "aos 10 anos já ...

Da série "aos 10 anos já ...

Da série "aos 10 anos já ...

Neda,

Mutilação Genital Feminin...

Orgulho em ser socialista

Dos EUA...

Por uma política com "P" ...

É da vida...

Notícias que interessam: ...

aCima & aBaixo

Ensino Superior com mais vagas

Começa amanha a primeira fase de
acesso ao ensino superior público
com mais 4% de vagasque em 2009.
Vão abrir mais 2068 vagas, sobretudo
nos horarios pós-laborais.
O Governo assinou em Janeiro
um “contrato de confiança” no qual
garante mais fundos com o
compromisso de que se aumentem
as oportunidades de
licenciatura e mestrados à
população activa.
É uma aposta no ensino superior
que não deixa de ter em conta a
produtividade e crescimento do país,
gerando mão-de-obra mais qualificada.

Deputados ausentes

Em nove meses de legislatura
podem ser contabilizadas 652 faltas.
Mesmo após o aviso do presidente
da Assembleia da República, Jaime
Gama, em que diz que não se aceitam
"deputados em part-time" contnua a
existir uma media elevada
de faltas, muitas delas injustificadas.
A assiduidade é um dos factores
que mais descredibiliza os deputados,
e toda a politica representativa.
A bancada com mais faltas é
a do PSD, que é responsável por cerca
de metade das faltas desde o início
da legislatura, seguida pelo CDS.
Os motivos apresentados são
variados mas as faltas continuam
a incidir sobre feriados com
pontes, como o 10 de Junho.
A assiduidade tem, contudo,
vindo a melhorar, com mais controlo
por parte do presidente da Assembleia.



Inês Mendes, 12/07/2010
links
Sotão

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds