Quarta-feira, 6 de Maio de 2009

LR, do Blasfémias, compara, entre outros aspectos, Barack Obama e José Sócrates, particularmente na aposta e investimento em medidas que apoiem novas formas de energia, mais favoráveis ao ambiente. Da ordem de raciocínio, concluímos que o considera um desperdicio - "(...) delapidação de milhões nas energias renováveis(...)". Pensamento redutor, sabendo que Portugal é um exemplo mundial neste sector, bastante elogiado, e que se trata de garantir um futuro sustentável, economica e ambientalmente falando.

 

Assim, na minha perspectiva, só posso considerar isso um elogio a Sócrates.

 

Neste sentido, recordo aqui, num texto bastante interessante, sobre o ambiente e a discussão sobre as emissões de gás, o ataque que a oposição faz às medidas de cariz ambiental, também a partir de argumentos como o seu custo:

 

 

Clearly, opposition to doing something about climate change has fallen back to a new position: claims that attempting to limit greenhouse gas emissions would be incredibly costly. Yet the most careful studies, like the big MIT study of Congressional proposals, find only modest costs. Pay no attention, say the critics. Via Pete Davis, I found Robert Samuelson’s latest, which Davis thinks was wonderful; all I can say is, huh?

 

Here’s the key graf in which Samuelson tries to deny the results of the studies:

The trouble is that these models embody wildly unrealistic assumptions: There are no business cycles; the economy is always at “full employment”; strong growth is assumed, based on past growth rates; the economy automatically accommodates major changes — if fossil fuel prices rise (as they would under anti-global-warming laws), consumers quickly use less and new supplies of “clean energy” magically materialize.

 

I don’t think there’s a single thing there that’s right. What on earth do business cycles have to do with it? The models may assume growth based on past trends, but they DO ask whether emissions policy would greatly slow growth — and the answer is no. Consumers aren’t assumed to “quickly” use less — the time frame in these models is decades long. And new supplies don’t “magically” appear — they respond to price incentives, which is what economics usually says.

 

I don’t especially mean to pick on Samuelson, but this column exemplifies a strange thing about the climate change debate. Opponents of a policy change generally believe that market economies are wonderful things, able to adapt to just about anything — anything, that is, except a government policy that puts a price on greenhouse gas emissions. Limits on the world supply of oil, land, water — no problem. Limits on the amount of CO2 we can emit — total disaster.

Funny how that is.



Luís Pereira às 13:31 | link do post | comentar

pesquisar...
 
Artigos recentes

Progressividade fiscal e ...

Cidadania europeia: o nov...

O progresso...

@ convidad@ da semana - J...

O Homem a fazer de Deus

O gineceu político do PSD

@ convidad@ da semana - C...

Os tiros nos pés do PS

A Democracia Hoje

NotíciasJS - 1.º Noticiár...

Jovem Socialista - Jornal...

Assim vai Cuba...

@ convidad@ da semana - P...

Jovem Socialista Poadcast...

JS em Entrevista - Progra...

Quid iuris?

@ convidad@ da semana - P...

Repugnante

Curtas

@ Convidad@ da Semana - J...

EUA: fez-se história

@ convidad@ da semana - M...

PSD... ou PCP ? ou o desn...

Democracia ao estilo do P...

A pérola II

A pérola

A Europa continua a ser v...

Futurália

"Virou-se o feitiço contr...

Lendo as notícias de hoje...

Frase do dia

MMG

Edições impressas do Jove...

Acompanhe todas as notíci...

Princípios da Administraç...

Da série "aos 10 anos já ...

Da série "aos 10 anos já ...

Da série "aos 10 anos já ...

Neda,

Mutilação Genital Feminin...

Orgulho em ser socialista

Dos EUA...

Por uma política com "P" ...

É da vida...

Notícias que interessam: ...

aCima & aBaixo

Ensino Superior com mais vagas

Começa amanha a primeira fase de
acesso ao ensino superior público
com mais 4% de vagasque em 2009.
Vão abrir mais 2068 vagas, sobretudo
nos horarios pós-laborais.
O Governo assinou em Janeiro
um “contrato de confiança” no qual
garante mais fundos com o
compromisso de que se aumentem
as oportunidades de
licenciatura e mestrados à
população activa.
É uma aposta no ensino superior
que não deixa de ter em conta a
produtividade e crescimento do país,
gerando mão-de-obra mais qualificada.

Deputados ausentes

Em nove meses de legislatura
podem ser contabilizadas 652 faltas.
Mesmo após o aviso do presidente
da Assembleia da República, Jaime
Gama, em que diz que não se aceitam
"deputados em part-time" contnua a
existir uma media elevada
de faltas, muitas delas injustificadas.
A assiduidade é um dos factores
que mais descredibiliza os deputados,
e toda a politica representativa.
A bancada com mais faltas é
a do PSD, que é responsável por cerca
de metade das faltas desde o início
da legislatura, seguida pelo CDS.
Os motivos apresentados são
variados mas as faltas continuam
a incidir sobre feriados com
pontes, como o 10 de Junho.
A assiduidade tem, contudo,
vindo a melhorar, com mais controlo
por parte do presidente da Assembleia.



Inês Mendes, 12/07/2010
links
Sotão

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds